Herpes labial em crianças: saiba identificar os sintomas da doença bucal

A herpes labial é uma doença que também pode atingir bebês e crianças.
A herpes labial é uma doença que também pode atingir bebês e crianças.

Se engana quem acredita que a herpes labial não afeta bebês e crianças. Assim como os adultos, os pequenos também estão suscetíveis à contaminação e aos sintomas de herpes labial. Por esse motivo, é importante saber os motivos por trás dessa doença bucal e as principais formas de identificar o quadro durante a infância. Pensando nisso, o time de Sorrislogia entrevistou a odontopediatra Thalyta Braga, que contou tudo sobre o assunto - incluindo os tratamentos para herpes labial e como preveni-la. 

O que causa herpes labial em crianças?

De maneira geral, a herpes labial é uma doença contagiosa causada por um vírus chamado de HSV-1. “Nas crianças, o contato do bebê com a mucosa ou gotículas de saliva de uma pessoa infectada é o que causa herpes labial”, afirma a dentista. Embora o quadro seja bastante comum, a herpes labial não possui cura para crianças e adultos.

Mas isso não significa que o paciente lidará com os sintomas de herpes labial a todo momento. “Em alguns casos, o vírus permanece por toda vida na sua forma inativa, sem apresentar sinais”, revela a especialista. Nesse sentido, a herpes labial pode ser “reativada” na presença de possíveis gatilhos para o quadro. “Quando a criança é exposta à luz solar de forma intensa, a situações de estresse ou episódios de febre alta, os sintomas podem retornar”, ressalta.

Saiba como identificar os sintomas de herpes labial na infância

Depois de descobrir o que causa herpes labial em crianças, é comum que a primeira dúvida seja como identificar o quadro. Nesse caso, a dentista adianta: a primeira manifestação do vírus em crianças é a estomatite herpética primária. “Entre 6 e 36 meses, as aftas doloridas na gengiva e na mucosa intraoral são os principais sintomas de herpes labial”, explica. Outros sinais que podem surgir combinados às lesões são febre, indisposição e irritabilidade. 

Por outro lado, a reativação do vírus da doença pode trazer alguns sintomas diferentes. “A infecção apresenta sinais prodrômicos, como coceira e ardência, 24 horas antes da doença se manifestar. Depois disso, inicia-se a fase ativa da herpes labial, quando há maior risco de contaminação”, conta a dentista. Nessa etapa, é comum que apareçam bolhas no canto dos lábios com aspecto amarelado, deixando a região quente e vermelha.

Geralmente, as lesões da herpes labial perduram por até quatro dias. Após esse período, elas estouram e formam uma crosta que persiste na fase de cicatrização - que dura até 10 dias. Caso isso não ocorra, é importante consultar um dentista qualificado para avaliar o quadro e garantir um diagnóstico correto. 

Herpes labial: tratamento deve ser iniciado o quanto antes

Saber como tratar herpes labial em crianças pode fazer toda a diferença nos sintomas da doenças. Isso porque um tratamento precoce pode evitar que as lesões se proliferem e causem mais incômodo aos pequenos. “Os tratamentos para herpes labial devem ser iniciados o quanto antes, ainda no período prodrômico, ou seja, antes de aparecerem as vesículas”, reforça a dentista. Nesse caso, os medicamentos e pomadas antivirais são as principais opções de remédio para herpes labial em crianças e adultos. 

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Thalyta Braga - Dentista formada pela Universidade Veiga de Almeida. Especializada em odontopediatria na Faculdade São Leopoldo Mandic. Atende em consultório particular na Vila Valqueire - RJ 
CRO-RJ: 46.146


TODAS AS MATÉRIAS: saúde bucal infantil