Dente podre: 6 coisas que podem ajudar a evitar o quadro e garantir sua saúde bucal (infográfico)

02.03.2021

Dente podre: 6 coisas que podem ajudar a evitar o quadro e garantir sua saúde bucal (infográfico)

O dente podre é um quadro que pode se tornar bastante comum. Para evitar, fique de olho nesses cuidados que a dentista recomendou!
O dente podre é um quadro que pode se tornar bastante comum. Para evitar, fique de olho nesses cuidados que a dentista recomendou!

Notar o dente doendo, desgastado ou até mesmo com uma cor mais amarelada é sempre um sinal de alerta para a saúde bucal. Isso porque todas essas características podem indicar a presença de um dente podre, que costuma ser causado por alguns fatores, principalmente a má higiene bucal. A boa notícia é que existem alguns hábitos simples que podem prevenir o surgimento desse problema e garantir um sorriso saudável. Quer saber quais são? O Sorrisologia te conta! Veja abaixo 6 cuidados importantes para manter a sua saúde bucal de acordo com a dentista Ana Elisa da Silva.

Entenda o que é um dente podre

Você sabe o que define um dente podre? De acordo com a Ana, um dente popularmente chamado de podre é um dente em estado de decomposição e com de inflamação avançada. “O quadro pode estar associado a uma lesão extensa de cárie ou presença de tártaro dental ou ambos”, explica a profissional. Nesse caso, vale lembrar que todos os processos que envolvem bactérias produzem compostos orgânicos e compostos sulfurados voláteis que, por sua vez, caracterizam esse problema.

Para identificar um dente podre, existem algumas características que devem ser levadas em consideração. “O dente pode cheirar mal, causar mau hálito, inflamação na gengiva e na face, além de febre”, revela Ana. Além disso, dor de dente constante, mau hálito e desgaste dentário também podem servir de sinais de alerta para a condição.

O que pode causar o apodrecimento dos dentes?

Embora esteja quase sempre associado à má higiene bucal, o dente podre pode surgir por diversos fatores ou um conjunto deles. Distúrbios genéticos que predispõem a condição, por exemplo, é um deles. Por esse motivo, é importante manter uma rotina de escovação adequada desde os primeiros anos de vida, incluindo o uso de fio dental e enxaguante bucal. Além disso, é recomendado incluir um creme dental com a quantidade correta de flúor para prevenir as cáries e visitar regularmente o dentista para prevenir problemas bucais, como o dente podre.

É possível recuperar um dente podre?

Depende. Segundo a especialista, o tratamento vai depender do grau de perda da estrutura dentária e do tamanho da inflamação. “A resolução do problema pode envolver desde o tratamento de canal e prótese dentária até a extração do dente”, conta. Por isso, é tão importante consultar um odontologista qualificado para diagnosticar corretamente o quadro através de radiografias da arcada dentária.

6 dicas para diminuir as chances de dente podre

1) Mantenha uma boa higiene bucal. Escovar os dentes corretamente e passar fio dental todos os dias é uma boa forma de prevenir o acúmulo de placa bacteriana e, consequentemente, evitar o surgimento de um dente podre;

2) Evite o excesso de açúcar na alimentação, já que o hábito também pode prejudicar a saúde bucal e favorecer o surgimento de cáries;

3) Beba bastante água! Além de hidratar, a substância tem a capacidade de equilibrar o pH e aumentar a produção de saliva, que é um fator importante na diminuição da acidez bucal e no controle de cáries;

4) Troque as escovas de dente regularmente. Com o uso constante, as cerdas do acessório podem sofrer um desgaste e perder a sua eficiência, favorecendo uma má higiene bucal;

5) Visite o dentista regularmente! Pode até parecer óbvio, mas além de fazer uma limpeza minuciosa, o profissional é o único capaz de avaliar se sua higienização em casa está sendo realizada adequadamente, o que é fundamental na prevenção de problemas bucais, como o dente podre;

6) Pare de fumar ou pelo menos diminua o vício. Além de diminuir a vascularização dos tecidos, o tabaco também pode minimizar a resposta imunológica, causar destruição das glândulas salivares e redução do fluxo salivar, o que pode ser um risco para sua saúde bucal.

Esse artigo contou com a participação de:

Ana Elisa da Silva
CRO-RS: 13490
Mestre em Clínica Odontológica
Especialista em Periodontia. Capacitada para o atendimento da Halitose (Mau Hálito)
Habilitada em Laserterapia e Profissional Indicada Pela ABHA (Associação Brasileira de Halitose).


TODAS AS MATÉRIAS: saúde bucal