Os primeiros mil dias do bebê: entenda a importância da odontopediatria nessa fase, que vai até os 2 anos de idade

Os cuidados bucais nos primeiros dias de vida do bebê podem refletir muito em sua fase adulta. Saiba mais!
Os cuidados bucais nos primeiros dias de vida do bebê podem refletir muito em sua fase adulta. Saiba mais!

Engana-se quem pensa que a saúde bucal infantil só deve ser acompanhada a partir da troca dos dentes. Na verdade, é nos primeiros mil dias de vida do bebê - que inicia no primeiro dia de gestação até os dois anos de idade - que deve ocorrer a sua primeira visita a um odontopediatra. Isso porque alguns hábitos e cuidados podem influenciar todo o futuro da criança e, principalmente, prevenir o surgimento de problemas bucais. Quer entender mais sobre o assunto? O Sorrisologia te conta! Confira abaixo a importância da odontopediatria nessa fase de acordo com a especialista Aline Gianpietro.

Entenda como os primeiros mil dias do bebê podem influenciar na saúde bucal infantil

De maneira geral, os primeiros mil dias do bebê tratam-se dos 275 dias de gravidez somados aos primeiros dois anos de vida da criança. Segundo a dentista Aline, esse período é crucial para o desenvolvimento dos hábitos alimentares da criança que podem influenciar na sua saúde bucal. “Por sabermos que os pequenos possuem uma preferência natural por doces, é necessário incentivar o consumo de outros alimentos, como legumes e frutas, para que a criança “aprenda“ a comer esses alimentos sem qualquer problema quanto ao paladar”, explica. Além disso, é importante que os pais tenham em mente que a quantidade de açúcares e derivados oferecidos deve ser controlada para evitar alguns problemas bucais comuns na infância. “A produção de ácidos resultantes da metabolização do açúcar pelo biofilme é uma das principais causas da perda dos minerais dos dentes e, consequentemente, do surgimento das cáries”, afirma a profissional.

Afinal, qual a importância da odontopediatria nessa fase?

Você pode até duvidar, mas manter um acompanhamento odontológico desde os primeiros mil dias do bebê pode fazer toda a diferença. “Durante esse período, é extremamente importante que a mãe e o bebê sejam consultados por um odontopediatra. Dessa forma, é possível garantir que os dois receberão as devidas orientações de higiene e os cuidados necessários desde o nascimento do bebê”, revela. Acontece que, além da saúde bucal do bebê, a da mãe também deve estar em dia para assegurar o bem-estar da criança. Hábitos simples e que parecem inofensivos, como provar alimentos diretamente na colher do bebê, podem trazer consequências sérias e devem ser evitados.

Como o pré-natal odontológico pode impactar na saúde do bebê?

Como falamos anteriormente, os primeiros mil dias do bebê são contados a partir do início da gestação. Por esse motivo, Aline destaca a importância do pré-natal odontológico: “Durante a gestação, é comum que a grávida tenha uma circulação sanguínea com um volume maior, o que pode levar a um quadro de gengivite, caso haja falhas na higiene bucal”, conta. A doença, que parece inofensiva, pode trazer grandes riscos a saúde do bebê. “Existe um hormônio presente na doença gengival chamado de ocitocina que pode provocar a indução de um parto prematuro”, ressalta. Sendo assim, a gestante deve manter um acompanhamento odontológico para garantir que a sua saúde bucal esteja em dia e, assim, evitar que doenças bucais ultrapassem a parece placentária, causando problemas para o bebê.

Veja os cuidados necessários para saúde bucal do seu filho

Após o nascimento do bebê, as consultas com um odontopediatria devem ser mantidas para ajudar e avaliar a saúde bucal infantil em outros aspectos. “Um dos pontos mais importantes nessa fase é a avaliação do freio lingual do recém nascido. Um freio muito inserido na gengiva, o que a maioria conhece como “língua presa”, pode causar fadiga ao bebê durante o aleitamento”, esclarece a especialista. Nesse caso, a falta de diagnóstico pode estimular a perda de interesse do bebê pelo leite materno, o que pode resultar em outros problemas.

Outras informações importantes que podem ser garantidas através do acompanhamento odontológico nessa fase são sobre os cuidados com a boca do bebê. “Muitas orientações são passadas de geração para geração e já estão ultrapassadas. Limpar a boca do bebê com gaze, por exemplo, é uma delas. Por isso, essas consultas são tão necessárias”, finaliza. Por isso, lembre-se: nada de deixar de lado as consultas do seu bebê, ok?

Drª Aline Giampietro
Especialista em Odontopediatria
Especialista em Odontologia Hospitalar pelo Hospital Israelita Albert Einstein
Pós-Graduanda em Ortodontia e ortopedia facial.
CRO: 83.818 / SP


TODAS AS MATÉRIAS: saúde bucal infantil